Chá aerado de húmus

12/09/2020 9 minutos de leitura

O chá aerado de húmus, em inglês ACT (aerated compost tea), é uma ferramenta excelente para qualquer cultivo orgânico. Barato e simples de fazer, serve como manutenção para solos vivos e revitalização para solos desgastados. Nesse texto vamos entender o que é o chá aerado de húmus, porque ele é importante e como faze-lo.

O que é o chá aerado de húmus?

O chá aerado de húmus é uma infusão de húmus (composto orgânico) na água, nessa infusão adicionamos fontes de oxigênio e alimento para micro-organismos. O objetivo é promover a multiplicação de todos os micro-organismos que existem no húmus de boa qualidade. Essa solução é oxigenada durante algumas horas e no final temos um chá rico em micro-organismos benéficos que pode ser aplicado tanto no solo como diretamente nas plantas. Em resumo, preparar um chá aerado de húmus é fazer a multiplicação de micro-organismos na água para depois adiciona-los ao cultivo. A explosão de vida o chá de húmus causa no ambiente de cultivo orgânico é claramente notada na expressão das plantas logo no dia seguinte a aplicação.

Os benefícios

O chá de húmus adiciona muitos micro-organismos ao solo e as plantas, toda essa vida tem inúmeros benefícios no cultivo orgânico e na saúde geral das plantas.

O chá não é um fertilizante no sentido de entregar nutrientes prontos para as raízes mas tem efeito fertilizante quando essa nova população de micro-organismos chega ao solo e começa a trabalhar na decomposição de matéria orgânica e minerais, fazendo com que os nutrientes ali contidos fiquem disponíveis para as plantas.

Esses micro-organismos se somam aos já existentes na cadeia de vida estabelecida nesse solo. As raízes das plantas trabalham em simbiose com esses micro-organismos liberando substancias que os alimentam em troca dos nutrientes que eles são capazes de disponibilizar no solo. Isso é extremamente benéfico porque com o tempo a zona das raízes passará a ter uma composição interessante aos micro-organismos que ajudam as plantas. O efeito disso é que a população de micro-organismos patógenos é reduzida ou eliminada porque não tem alimento ou porque vira alimento para micro-organismos benéficos. Nesse sentido o chá tem um efeito anti doenças, anti pragas e promotor da saúde geral do solo e das plantas.

No solo toda essa atividade ajuda a formar uma melhor estrutura. A composição do solo trabalhado pela atividade microbiana é muito mais leve, permite melhor entrada de ar, evita compactação, tem melhor retenção de água, forma morada ideal para “segurar” os micro-organismos e todos nutrientes que eles podem liberar. Um solo saudável estimula o desenvolvimento das raízes e a aplicação de chá é muito benéfica para o crescimento e saúde do sistema radicular.

Quando aplicado pulverizado diretamente nas plantas a microbiota presente no chá ocupa a superfície de toda a planta. Isso impede com que patógenos e doenças acessem a planta para se estabelecer.

Esses e outros impactos positivos podem ser desdobrados como resultado da aplicação desse chá de vida no seu cultivo. É uma bomba de vida e o cultivo orgânico é o cultivo da vida, é o cultivo como a Natureza faz.

Como é feito

Antes de passar uma receita para execução acho importante explanar alguns pontos chaves sobre como é composto o chá de húmus. Dessa maneira o cultivador interessado na receita entende perfeitamente o porque esta fazendo a receita e o que cada item faz no conjunto. Vamos lá!

Para o chá aerado de húmus vamos precisar obviamente do húmus. A qualidade do chá esta diretamente ligada a qualidade do húmus, ter uma boa fonte de húmus é essencial. O húmus serve como fonte de micro-organismos, a vida que vai existir no seu chá será a multiplicação da vida que existe húmus utilizado. Aqui utilizo o húmus fresco da minha composteira caseira mas não é problema utilizar húmus comprado em sacos se for o único que você tem acesso. A variedade é sempre saudável e quando possível utilizo mais de uma fonte de húmus. Ultimamente tenho adicionado um pouco de bokashi ao húmus que vou utilizar no chá. A quantidade de húmus indicada é de 20g por litro de água, como não faço nada profissional ou que precise de muita exatidão, apenas utilizo um punhado de húmus mais duas colheres de bokashi para uns 8L de água.

O chá vai ser um multiplicador de vida e outras fontes de vida podem ser adicionadas. Aqui costumo adicionar soluções caseiras de micro-organismos como LABS, FPJ ou FFJ, e também produtos comerciais com micro-organismos selecionados. Utilizar esse tipo de produto comercial no chá é uma ótima maneira de fazer valer o seu dinheiro. Afinal, adicionando 10ml do produto ao chá, no final do preparo você terá uma concentração de micro-organismos muito maior do que se aplicasse os mesmos 10ml misturados em água.

Deixando claro, qualquer punhado de húmus terá micro-organismos para fazer o chá mas você pode incrementar o seu com outras fontes.

O húmus utilizado vai ficar mergulhado em água para produção do chá. Nenhum detalhe para água, apenas devemos utilizar água filtrada sem cloro.

Como fonte de oxigênio podemos usar um compressor de ar simples. Para minha pequena produção utilizo um compressor com capacidade de 1080 litros por hora para oxigenar aproximadamente 8 litros de água. Os textos mais técnicos que estudei indicam a necessidade de 6 PPM de oxigênio na solução. Não faço ideia de como poderia controlar e/ou medir esse valor em uma aplicação caseira, também nunca achei necessário.

Existem vários projetos de fermentadores para o chá e podem ser muito uteis principalmente para quem precisa produzir grande volume. Para o uso que faço um compressor de ar simples oxigenando água em um balde é “projeto” suficiente.

Como alimento para micro-organismos o item mais utilizado é o melaço de cana. Se tiver somente ele pode ser o suficiente mas quase todas as receitas sobre chá aerado de húmus vão indicar também o uso de hidrolisado de peixes, extratos de algas e ácidos húmicos. Se puder utilize, aqui eu consigo adicionar todos.

Resumindo a história, vamos colocar húmus na água, adicionar melaço e oxigenar essa mistura por algumas horas. Os micro-organismos que estão no húmus vão usar o alimento (melaço) e o oxigênio para se reproduzir. Ao final teremos uma solução cheia de micro-organismos.

A receita

Depois de toda essa explanação finalmente a parte prática! Aqui vou passar a receita que eu utilizo com as medidas que utilizo para meu dia a dia. Com o explicado nos parágrafos anteriores (e um pouco de matemática) você poderá fazer as adaptações que forem necessárias para sua realidade e necessidade.

Você vai precisar de:

  • Balde (12L)
  • Água filtrada sem cloro (8L)
  • Compressor de ar (8w 1080L/h)
  • Melaço (duas colheres de sopa)
  • Húmus de minhoca (160g ou uma mãozada, 20g/L)
  • Meia, tecido, meia calça ou bag para colocar o húmus (ver abaixo)

Interessante mas não obrigatório:

  • Hidrolisado de peixes (1ml/L)
  • Extrato de algas (1ml/L)
  • Ácidos húmicos (1ml/L)
  • Outras fontes de micro-organismos (conforme indicação de cada produto)

A meia, tecido, meia calça ou bag servirá como um sachê de chá envolvendo o húmus. Uma tela com 200 mícrons é o suficiente para permitir a passagem de qualquer micro-organismo. Abaixo uma foto da bag que uso para isso.

Sachê de húmus

Começo enchendo o balde com água, utilizo 1/3 da capacidade então para meu balde de 12L eu adiciono 8L de água. Gosto de deixar a água oxigenando com a bomba ligada por algumas horas antes de adicionar os outros ingredientes.

Depois retiro um copo de água do balde para diluir nele as duas colheres de sopa de melaço e devolvo. Isso é apenas para garantir que o melaço esteja completamente dissolvido na água. Se for utilizar ácidos húmicos, extrato de algas e hidrolisado de peixes, essa é a hora de adicionar. O mesmo para qualquer outra fonte líquida de micro-organismos.

Por fim chegou a vez de adicionar o “sachê” de húmus. Costumo mergulhar várias vezes, massagear gentilmente e depois deixar o sachê suspenso no balde. Agora é aguardar um pouco, geralmente deixo o chá oxigenando entre 24 e 36 horas antes de usar. O chá pronto é um líquido marrom escuro com cheiro terroso. Alguma espuma consistente pode aparecer na superfície do chá, usualmente consideram um bom sinal mas significa apenas que temos proteínas, aminoácidos e carboidratos disponíveis na solução.

Chá aerado de húmus em preparo

Como e quando usar

O chá pode ser aplicado direto sem diluição no solo via rega ou pulverizado no corpo da planta. Deve ser utilizado imediatamente e não pode ser guardado. Pode ser aplicado durante todo o ciclo de cultivo de maconha. Para cultivo orgânico direto gosto de aplicar o chá na montagem do solo e nas manutenções entre ciclos. Aplicar um chá com bactérias solubilizadoras de fósforo no começo e no meio da floração é uma excelente maneira de estimular flores gordas e resinadas.

Quem pratica cultivo orgânico em vasos pequenos pode tirar grande proveito na aplicação mais frequente do chá. Como o vaso pequeno seca com frequência e isso acaba atrapalhando a cadeia de vida de solo, a aplicação quinzenal do chá de húmus pode renovar a microbiota dos vasos e garantir elevada atividade microbiana no cultivo.

Dicas para os itens não obrigatórios

Apenas água, compressor, húmus e melaço é suficiente mas você pode adicionar alguns opcionais que agregam muito ao chá. O hidrolisado de peixes, extrato de algas e ácidos húmicos vão aumentar o escopo de micro-organismos que serão satisfeitos e assim multiplicados com mais sucesso. Ao longo dos anos utilizei diferentes produtos para aportar esses itens no chá, segue a lista.

Para hidrolisado de peixes você pode usar o caseiro FAA do KNF ou então o produto Fert-I-Fish da Agrobiológica. Para extrato de algas a Agrobiológica também tem um produto chamado Nutri-I-Kelp. Os produtos Ocean Mix da Organo Lab e Alquifish da Ophicina Orgânica são ‘dois em um’, eles contém hidrolisado de peixes e extrato de algas. Para ácidos húmicos uma alternativa barata é o Hum-I-Solve da Agrobiológica.

Como fonte extra de micro-organismos uma opção barata é o uso de LABS e dos fermentados (FPJ/FFJ) do KNF. Comercial mas muito barato existe o LMX que apresenta uma combinação de micro-organismos para diferentes fins. A FatCrystal oferece dois produtos com micro-organismos especialistas, o Vega Microbes e o Flora Microbes. O BioSymphony entrega bactérias solubilizadoras de fósforo.

Um húmus de qualidade tem a variedade de micro-organismos necessária para criar um solo saudável. Utilizar produtos com cepas específicas garante o efeito desejado, garante que o tipo de micro-organismo desejado com certeza faça parte do seu chá. #ficaadica

Concluindo

Barato e fácil de ser feito, o chá aerado de húmus oferece vantagens o suficiente para ser ferramenta útil em qualquer jardim orgânico. Muitos interessados em cultivo orgânico ficam ansiosos em como “criar um solo vivo” e o chá aerado de húmus é uma resposta fácil para isso. Uma aplicação rotineira de chá aerado de húmus garante um solo saudável e solo saudável cultiva plantas saudáveis e felizes!

comments powered by Disqus
Diário de Cultivo

No Instagram diário de cultivo utilizando as técnicas descritas no Guia de Cultivo Orgânico.


@matinhocheiroso